terça-feira, 23 de março de 2010

Galerias no Interior da Barragem

A barragem de Castelo do Bode, ao contrário do que muitas pessoas pensam, apresenta diversas galerias no seu interior e até um elevador.
Logo no topo da barragem, por debaixo da estrada, existe uma galeria de coroamento com uma extensão próxima do total coroamento da barragem. Esta galeria possui uma ligação ao elevador que circula desde a central hidroeléctrica até a esta galeria e possui mais duas ligações ao exterior da barragem por duas portas que se podem ver no coroamento da barragem, uma próximo do topo Norte e outra aproximadamente a meio do coroamento. A galeria de coroamento também dá acesso a uma varanda sobre os descarregadores de cheias e no extremo Sul tem ligação à galeria de drenagem.

Um nível abaixo da galeria de coroamento existe outra galeria à cota 90,5m. Esta galeria tem um comprimento inferior à galeria de coroamento. Para além de esta servir para inspecção, dá acesso aos descarregadores de cheias e à sala de controlo manual destes.

À cota 72,50 existe uma curta galeria de inspecção apenas com acesso ao elevador.

A última galeria horizontal situa-se à cota 48,5m. Esta galeria faz a ligação entre a central hidroeléctrica e a barragem. No extremo sul desta galeria existe comunicação com a galeria de drenagem.

A galeria mais comprida é a galeria de drenagem. Esta galeria percorre toda a parte inferior da barragem, perto da zona de fundação, próximo do paramento de montante. Devido à sua acentuada inclinação e para permitir o uso da galeria para inspecção, existem escadas e um corrimão de apoio para se poder circular nesta.
Ao contrário da outras galerias esta tem uma função bastante importante no comportamento estrutural da barragem. A sua função é diminuir a pressão ascensional que se desenvolve de baixo para cima nas fundações da barragem devido à pressão intersticial da água na rocha de fundação. Esta força pode ser diminuída durante a construção com a injecção das fissuras e aberturas existentes, mas não pode ser eliminada.
A galeria de drenagem consegue diminuir uma importante componente da pressão ascensional através de furos verticais, que são realizados ao longo desta e que se estendem até ao solo de fundação. Estes furos vão libertar a pressão intersticial provocada pela água, dando a possibilidade da mesma subir pelos furos para o interior da galeria de drenagem. Os furos poderão ter diâmetros entre os 5cm e 15cm e profundidades entre os 10 metros e os 30 metros. Na zona mais baixa da galeria de drenagem, à cota 17m, existe uma galeria radial que encaminha as possíveis águas que subam à galeria de drenagem, para jusante.


Poderá ver imagens das galerias neste post.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Descargas nos Últimos Anos

O ano de 2010 começou com as barragens nacionais a serem palco de atenção por parte dos media e da população em geral. A grande quantidade de precipitação durante o mês de Janeiro provocou um forte aumento de caudal no cursos de água nacionais que levou muitas barragens a ter necessidade de utilizar os seus descarregadores de cheias.
Durante este ano a barragem de Castelo do Bode esteve com os descarregadores abertos durante 25 dias. Este é um valor que desde 1991 apenas foi ultrapassado duas vezes, no ano de 1996 com 47 dias em descarga e no ano de 2001 com 49 dias de descarga.
Se analisarmos apenas a quantidade de água descarregada, passam a ser 4 os anos com mais água descarregada do que este ano de 2010. O ano de 1996 foi o ano com mais quantidade de água descarregada desde 1991, com um total que supera em mais de 3 vezes a quantidade de água descarregada durante este ano.
Em baixo pode-se ver um gráfico com a quantidade de água que saiu pelas descargas de fundo ou descarregador de cheias, desde o ano de 1991 sem contabilizar as aberturas dos descarregadores para manutenção ou inspecção técnica.


Como a quantidade de água descarregada depende em muito da quantidade de precipitação na bacia hidrográfica que é abrangida pela barragem, mostra-se em seguida um gráfico com a variação da quantidade de precipitação em Portugal Continental em relação à média dos intervalo 1971-2000.(Dados retirados do relatório de 2009 do Instituto de Meteorologia)


Estes são dados que apesar de mostrarem o desvio da precipitação em relação à média, dizem pouco em relação à necessidade da barragem de Castelo do Bode abrir os seus descarregadores. Se a quantidade de precipitação num dado ano foi elevada mas distribuída uniformemente ao longo do ano, a albufeira e as turbinas conseguem conter e gerir esse caudal extra de forma a evitar as descargas.
Observando o gráfico de precipitações é possível verificar que em todos os anos que a quantidade de precipitação no território continental foi superior à média de 1971-2000, os descarregadores de cheias na barragem de Castelo do Bode estiveram abertos com excepção do ano de 1998 onde a precipitação ficou abaixo da média de 1971-2000 mas os descarregadores estiveram abertos durante 4 dias.

sábado, 13 de março de 2010

quarta-feira, 10 de março de 2010

Vídeo com Início de Descarga

Um vídeo interessante que mostra o que poucos têm oportunidade de ver.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Uma Semana de Descargas

Este parece ser um ano de muitas descargas nas barragens Portuguesas, como consequência do elevado volume de precipitação que caiu sobre o território nacional. Os terrenos já atingiram o ponto de saturação levando a que uma maior quantidade de água de precipitação nas bacias hidrográficas chegue aos cursos de água e aumente assim o caudal destes.
O caudal do rio Zêzere já levou à abertura dos descarregadores da barragem de Castelo do Bode por duas vezes durante este ano, para deixar passar os mais de 500m3/s de água que o rio transportou durante os últimos dias.

Hoje é já o 13º dia consecutivo em que a barragem de Castelo do Bode está a realizar descargas apesar de o caudal descarregado agora ser bastante inferior ao descarregado à uma semana atrás. Hoje a barragem deverá estar a descarregar, pela sua descarga de fundo, um caudal a rondar os 100m3/s enquanto que à uma semana atrás esse caudal era superior a 500m3/s, com recurso ao descarregador de superfície.
A diminuição das descargas nos últimos dias levou a uma subida da cota de água na albufeira, aumentando assim as reservas de água. Este aumento pode ser explicado pelas previsões meteorológicas que dão uma ausência de precipitação para o resto da semana, prevendo-se assim que as descargas terminem durante a semana.